Cinema

Crítica Máquinas Mortais: pós-apocalíptico é opção válida para passar o tempo no cinema

  Patricia Piquia    quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Com para o dia 10 de janeiro, a distopia baseada no livro do inglês Philip Reeve que tem produção e roteiro de Peter Jackson e direção de um dos técnicos de artes visuais das produções de Jackson, Christian Rivers.

A história se passa após a humanidade ter sido praticamente dizimada por uma guerra com armas quânticas, as cidades foram modificadas em suas estruturas e não ficam mais presas ao solo. As grandes metrópoles, como Londres que é usada no filme, movimentam-se de um lado para o outro do globo, em gigantescos mecanismos complexos, as tais máquinas mortais do título, atacam sugando os recursos de cidades menores.

Imagem relacionada

Nesse processo, Londres, liderada por Valentine (interpretada pelo ótimo Hugo Weaving, o Sr. Smith de Matrix e o V de V de Vingança), suga a pequena cidade onde se encontra Hester, interpretada por Hera Hilmar, a Vanessa na série Da Vinci’s Demons, a jovem de lenço vermelho no rosto do pôster. Ao chegar em Londres, Hester tenta matar Valentine por vigança, pois ele havia matado sua mãe no passado, mas infelizmente ela é impedida pelo jovem Tom Natsworthy, interpretado por Robert Sheehan, o Nathan Young, do seriado pouco conhecido no Brasil, Misfitis.

Valentine é o vilão clássico que quer destruir tudo e Hester será a mocinha, que somente quer acabar com o vilão porque ele matou a sua mãe. No meio disso tudo tem seres estranhos, como um zumbi robô que vai atrás de Hester.

O filme peca nos clichês, no esvaziamento do gênero distópico e na falta de profundidade do roteiro. Vemos um grande potencial desperdiçado, é interessante esse mecanismo e os efeitos das cidades e da terra, lembra um pouco Mad Max, mas pouco é explorado nas relações entre Hester, Tom e Valentine, e os clichês só reforçam a falta de química, e pouco é explorado em como as cidades sugam as outras e as questões políticas por detrás disso.

A crítica em geral tem sido implacável contra o filme, eu achei um bom “filme sessão da tarde”, não se pode levar muito a sério, eu me diverti, pois não criei muitas expectativas antes de vê-lo. Infelizmente a estreia nos EUA não foi boa, faturou menos dos custos de 100 milhões de dólares, talvez tenha sido dinheiro demais para os efeitos e pouco investimento na história. Mas para quem está de férias e quer se divertir um pouco, acho uma opção válida para passar o tempo no cinema.

Patricia Piquia

Patricia Piquia

Nerd, brasiliense, estabanada e professora de inglês. Amo música, livros, séries, filmes, arte, corridas e viagens.

Todos os posts da Colaboradora »

veja também

Comenta aí!

Novidades por e-mail

Quer receber um boletim quinzenal com as principais novidades e produtos da nossa loja? Então assine nossa Newsletter abaixo. Não divulgaremos seu e-mail e não enviaremos SPAM, palavra de escoteira.