Nessa terça-feira, dia 24, foi realizado o lançamento do mais novo Graphic do selo Maurício de Sousa Produções e o Garotas Nerds marcou presença! Com um bate papo com Rafael Calça (roteiro), Jefferson Costa (arte), Sidney Gusman (editor) e o Emicida, foi apresentado um pouco sobre o processo de produção da história em quadrinhos “Jeremias – Pele”.

Lançamento do novo Graphic MSP "Jeremias- Pele" traz debate sobre racismo e representatividade

Imagem: Podcast Mano

Rafael Calça começou sua fala já apontando que o foco deste quadrinho foi em trazer o Jeremias como protagonista e contar a história dele de fato, o personagem surgiu em 1960 e este é o primeiro quadrinho em que temos ele na capa.

Vamos falar sobre o Jeremias pela primeira vez. Uma história nunca saiu tão rápido e tão fácil pra mim, porque é o exatamente o que a gente passa – Rafael Calça

O quadrinho “Jeremias – Pele” aborda como temática principal o racismo na infância. Algumas situações que acontecem com o Jeremias na narrativa (não vou dar spoiler rs) aconteceram de verdade na vida dos artistas que conseguiram tratar dessa temática com muita sensibilidade e profundidade.

O rapper Emicida escreveu a quarta capa deste quadrinho, ele trouxe para a discussão o quanto é difícil falar sobre racismo no Brasil, ainda mais sobre racismo na infância, sempre muito velado. Como exemplo, ele comentou sobre a maioria dos personagens negros das narrativas não terem sobrenome ou família e ressaltou que o Jeremias tem tudo isso e é trabalhado com complexidade, tendo uma representação construtiva.

Lançamento do novo Graphic MSP "Jeremias- Pele" traz debate sobre racismo e representatividade

Rafael Calça comentou que a representação da família do Jeremias foi algo intencional. As famílias compostas por personagens negros costumam ser representadas como más referências e com um viés negativo, enquanto as famílias compostas por personagens brancos são representadas felizes e plenas. Esta história em quadrinhos quebra o estereótipo apresentando uma família composta por personagens negros que é feliz e unida, ao mesmo tempo que com delicadeza e carisma consegue trazer o momento em que o protagonista se percebe como negro e o peso que isso traz para ele e qual a relação de sua família para com essa vivência.

Emicida falou também sobre a representatividade que esse quadrinho carrega, que as crianças negras poderão se sentir representadas e identificadas e que essa produção também vai incentivar mais pessoas a fazerem quadrinhos sobre esse tema. O editor Sidney Gusman foi além e acredita que a representatividade que esta produção traz vai atrair até mesmo as pessoas que não leem histórias em quadrinhos e que irão querer se aproximar desta narrativa.

Chegou atrasado mas chegou na hora, eu queria ter lido Jeremias quando era criança, mas agora vai ter toda uma nova geração que vai ter contato com essa história – Emicida

Natalia Sierpinski

Natalia Sierpinski

Educomunicadora e pesquisadora de quadrinhos, gênero e educação. Sou potterhead, não tenho treta entre Marvel e DC, gosto e acompanho ambas, adoro Star Wars, vídeo game, jogos de tabuleiro e cinema.
Natalia Sierpinski

Comentários

Comentários