Em 2017 a indústria cinematográfica mostrou um reflexo do que mulheres no mundo todo passam há anos, dessa vez baseado em fatos reais.

Após as denúncias do caso Weinstein, um dos produtores mais poderosos do cinema, Hollywood finalmente expôs uma faceta sombria do que acontece há décadas no mundo do entretenimento, envolvendo desde descriminações até casos sérios de assédios e estupros. Felizmente, diferente do que sempre aconteceu com esse tipo de denúncia, agora suas vozes foram ouvidas: e foram centenas delas. Atrizes como Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Asia Argento, Ashley Judd, Rosanna Arquette, Lena Headley, Kate Winslet e Uma Thurman contaram relatos de situações desprezíveis as quais passaram com o então produtor Harvey Weinstein, fundador da Miramax em 1979 e da The Weinstein Co. em 2005.




Esse escândalo acabou por desencadear uma onda de denúncias de mulheres que também passaram por situações semelhantes, dando força a movimentos como #MeToo e Time’s up,e fortalecendo movimentos que já existiam como o  #HeForShe  e #AskHerMore.

Conheça cada um deles:

#HeForShe (Eles por Elas)

Em 2014 a embaixadora da ONU Mulheres, Emma Watson, lançou o slogan “Eles por elas” que chama homens e meninos para, junto com as mulheres, combater as barreiras sociais e culturais que ainda impedem que a igualdade de gênero seja alcançada, dificultando com que muitas mulheres atinjam o seu potencial.

#AskHerMore (Pergunte Mais a Elas)

Nas premiações de 2015, a atriz Reese Witherspoon encabeçou a campanha criada pela cineasta e fundadora da ONG The Representation Project, que visa mostrar como as mulheres são representadas na mídia. O movimento pede para que a imprensa aborde as atrizes nos tapetes vermelhos sobre seus trabalhos e desafios da carreira, e não apenas sobre os vestidos ou as joias que estão usando.

#MeToo (Eu Também)

Inicialmente a ativista Tarana Burke usou a frase para aumentar a conscientização sobre a onipresença de abuso e agressão sexual na sociedade. Logo após o escândalo do Weinstein, a atriz Alyssa Milano popularizou a hashtag no Twitter, encorajando as mulheres a “dar às pessoas uma sensação de magnitude do problema”. Após isso a frase foi publicada milhões de vezes nas redes sociais incluindo relatos de celebridades como Gwyneth Paltrow, Ashley Judd, Jennifer Lawrence e Uma Thurman.

Time’s Up (Acabou o Tempo) 

Após todos esses relatos de assédios e violência, e da passividade com que o mundo ainda trata essas mulheres, em 1º de janeiro de 2018 celebridades Hollywoodianas fundaram a Time’s up, movimento que visa auxiliar jurídica e psicologicamente mulheres atingidas por esses crimes.

Contando com mulheres como Emma Stone, Natalie Portman, Shonda Rhimes, Eva Longoria, Reese Witherspoon, Emma Watson, Jessica Chastain e Nicole Kidman, entre outras. O projeto visa criar um fundo de defesa legal para mulheres que sofreram assedio sexual, encorajar o número de mulheres em posição de liderança de grandes empresas do ramo e propor leis que penalizem empresas tolerantes a assédios.

Dia Internacional da Mulher: Movimentos em defesa das mulheres em Hollywood

Durante a cerimônia do Globo de Ouro de 2018 atrizes que aderiram a causam usaram roupas pretas em homenagem ao movimento.

  • 16
    Shares

Comentários

Comentários