O prêmio “Para mulheres na ciência” que foi criado no Brasil em 2006 pela L’Oréal Brasil em parceria com a UNESCO Brasil e a Academia Brasileira de Ciências abre inscrições hoje.

A cada ano são escolhidas 7 doutoradas para receber uma bolsa-auxílio de 50 mil reais que deve ser aplicada em seu trabalho científico. Além disso elas são encorajadas a realizar projetos de incentivo a ciência nas escolas.

Em homenagem ao dia internacional das mulheres aqui vai um pouquinho sobre as ganhadoras do ano passado.

Diana Sasaki Nobrega

Dia Internacional da Mulher: Prêmio "Para mulheres na ciência"

Matemática que investiga uma classe de problemas conhecidos como grafos cúbicos, relacionados com a resolução de problemas reais de conflito, focando principalmente a área da computação.

Ama ensinar e acredita que é possivel criar um ambiente  interessante para a pesquisa no seu campo de atuação.

Fernanda Maria Policarpo Tonelli

Bioquímica que estuda tilápias-do-Nilo geneticamente modificadas como biofábricas para a produção de substâncias como o hormônio do crescimento humano.

Acredita que ações de divulgação como estas do prêmio pode influenciar outras mulheres a seguirem estes caminhos.

Gabriela Nestal de Moraes

Biomédica que investiga as bases celulares e moleculares para uma nova terapia para o câncer de mama, a partir de informações de pacientes que não respondem ao tratamento de quimioterapia.

Diz para suas alunas quando entram no laboratório, “Você precisa ser apaixonada pelo que faz”,  afirmando que está área deve ser movida pela paixão.

Jenaina Ribeiro Soares

Física que estuda a estrutura de novos nanomateriais para aplicação em diferentes indústrias principalmente na eletrônica. Também desenvolve equipamentos para produzir estes nanomateriais.

Como professora acha muito importante que as jovens em inicio de carreia tenham referência feminina em suas áreas de interesse.

Marília Danyelle Nunes Rodrigues

Geneticista que estuda um diagnóstico da diversidade genética do pirarucu na região do sudeste do Pará. Pretende criar uma cartilha para promover a conservação desta espécie que esta ameaçada de extinção.

Ressalta a importância da sociedade em debater o tema para o incentivo à pesquisas no país.

Pâmela Billing Mello-Carpes

Bióloga entre outras formações, estuda como o cuidado parentall influência na formação do cérebro e busca formas de tratar problemas cognitivos ligados à falta deste cuidado.

Ressalta que a ciência tem muitos rostos masculinos, não porque as mulheres não fazem ciência, mas pois não são acreditadas, apoiadas e reconhecidas. E este prêmio reconhece as mulheres.

Rafaela Salgado Ferreira

Química entre outras formações, busca tratamentos mais eficazes para zica e doença de chagas, desenha moléculas capazes de inibir o funcionamento do vírus e do protozoário Trypanossoma cruzy.

Afirma o papel social da pesquisa e acredita que a chave para a conquista é a persistência.

Fontes de inspiração, estas e outras mulheres da ciência ou outras profissões, merecem mais incentivo, respeito e reconhecimento.

O mundo precisa de ciência e a ciência precisa de mulheres” Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO.

 

Natalia Rigos

Natalia Rigos

Bióloga, ovolactovegetariana, apaixonada por ciência, fotografia, poesia (menos Vogon), jogos, séries sci-fi....e batata frita!
Natalia Rigos
  • 46
    Shares

Comentários

Comentários